25 de Março

A cada um, a sua própria espiritualidade 

Reflexão do Dia

Se um jogador compulsivo quiser ter sucesso social, precisa de substituir o poder que o jogo tem sobre ele pelo poder doutra coisa - de preferência, positiva, ou pelo menos neutra, mas nunca negativa. Por isso, dizemos ao novo membro dos J.A. que é agnóstico: se não consegue acreditar em Deus, procure uma força positiva que seja tão poderosa como o poder da sua compulsão e confira-lhe o poder e a dependência que cedeu à sua compulsão. Nos Jogadores Anónimos, o agnóstico fica à vontade para descobrir o seu Poder Superior e pode usar os princípios do Programa e a terapia das reuniões para reconstruir a sua vida.

Abrirei mão das minhas convicções para trabalhar com os recém-chegados?

Hoje eu peço:

Que o poder do Programa dos Jogadores Anónimos produza os seus milagres de maneira semelhante com aqueles que acreditam num Deus pessoal, num Espírito universal, ou na força do próprio Grupo, como com todos aqueles que descrevem o seu Poder Superior nos seus próprios termos, sejam eles religiosos ou não. Se os recém-chegados se sentirem incomodados com a religiosidade do Programa, que eu os receba respeitando as suas próprias formas de espiritualidade. Que eu reconheça que somos todos seres espirituais.

Hoje vou lembrar-me:

A cada um, a sua própria espiritualidade.