24 de Maio

Ir com calma

Reflexão do Dia

Ultrapassar anos de desconfiança e doutros mecanismos de autoproteção nunca poderá ser um processo da noite para o dia. Ficámos profundamente condicionados a sentir-nos e a agirmos como incompreendidos e mal-amados — quer o fôssemos, quer não. Alguns de nós podem precisar de tempo e de prática para quebrar a nossa concha e aquela familiaridade com a solidão que tem um conforto aparente. Mesmo quando começamos a acreditar e a saber que já não estamos sozinhos, temos às vezes tendência para sentir e agir à moda antiga.

Estou a levar as coisas com calma? Estou a aprender a usar o Programa de JA e a vida como quem veste uma roupa mais leve?

Hoje eu peço:

Que eu não me ponha à espera de uma viragem total, súbita, das minhas velhas características. A minha abstinência de jogo é só um princípio. Que eu perceba que os sintomas da minha compulsão irão desaparecer gradualmente. Se eu, de vez em quando, retroceder ao meu velho fardo de autopiedade ou de mania das grandezas, que isso não me desencoraje e eu fique, em vez disso, agradecido. Posso, finalmente, encarar honestamente quem sou, não deixando dominar-me pelos meus delírios.

Hoje vou lembrar-me:

Ir com calma.